*Fazer olhinhos

*Instituto Nina Rosa

*Sutiãs triangulares

* Dezembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Agosto 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

A menina que ninguém entende

 

Contaram que ela sempre foi assim. Desde pequenina tinha dessas coisas. Quando seu pai perguntava onde tinha ido, dizia “Ali.”.
Ninguém nunca conseguiu compreender. Nem ela mesma se entendia. Tinha dessas coisas. Achava que todo mundo tinha, mas não sustentava essa idéia e logo percebia que era apenas impressão. Só ela era assim, só ela tinha disso. E por ser incomum sentia angústia, rejeição. Ela queria ser como as outras, mas não conseguia.
 
O que acontece é que ela nunca conseguiu conter o seu coração, ele sempre foi dono de si próprio e amava desmedidamente. Não gostava, portanto, de dizer para os outros aonde seu coração a tinha levado. Ela apenas o seguia.
Amava o cachorro que passava, o vento que refrescava seu rosto, a água corrente ou parada, a pessoa que nem olhava para ela, o morador de rua que pedia-lhe ajuda, as flores caídas ao chão ou vivendo nas árvores. Tudo amava. Se seu pai soubesse de tudo que esse músculo tinha levado sua filha a fazer, teria mandado tirá-lo do corpo dela.
 
E por mais angústia, por mais vergonha, ela nunca quis se desfazer daquele coração. Ele era seu, parte dela. Se era desmedido e inconseqüente, é porque ela era assim também. Isso ela pensava. Pois apesar de aparentemente tímida e acanhada, quando seu coração mandava fazer algo, seja o que fosse, ela obedecia.
 
Contaram também que ainda hoje, depois de velha, ela obedece aquele coração que mesmo encanecido continua desmesurado. Basta ser do conhecimento dela que se torna capaz de seu amor.
Ninguém entende como é possível tanto amor. Mas ela sempre foi assim, sempre teve dessas coisas de sair amando por aí.
 
pareço: flor
palavras-chave:


1 palavra:
De Rafa a 26 de Setembro de 2008 às 23:10
Ana!
Não estamos namorando sabe, foi o nosso primeiro encontro e foi muito bom!
e sbre a distancia concordo contigo, como mencionei no post fui noiva de um colombiano q vivia em aviões entre brasil e colombia e deu certo.
vamos ver né colega se vai a diante, sou da teoria de que se criar espectativa dá errado!
******viu, ele comentou no blog tbm...rsrrs
beijoes e parabéns por tudo que escreve...eu amo!!!


Comentar post

*Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


*palavras-chave

* todas as tags

*procurar por aqui

 

*Ana

*Fazer olhinhos

blogs SAPO
RSS